Procuro sempre, e minha procura ficará sendo minha palavra...

drummond 100 anos
Drummond - óleo sobre tela de Inimá de Paula, 1987
Inimá de Paula, oléo sobre tela, 1987
(1902-1987)


"Carlos Drummond de Andrade
quis ser homem do seu tempo, nele se envolvendo como

um atleta em Atlanta na bandeira brasileira. Escreveu ele: “O tempo é a minha matéria, o tempo
presente, os homens presentes, a vida presente”. Sua poesia tende ao sentimental, ao ideológico
e ao erótico. O poema “Mãos dadas” anuncia a utópica e festiva solidariedade humana. Como o
cinema de Hollywood dos anos 40, seus melhores poemas não esquecem o leitor. Sabem que ele
existe, que está lá, na poltrona e sob a luz do abajur, à espera. Seus poemas mais felizes flertam
com o leitor, piscam para o leitor, como um ator cônscio (ou em busca) da sua popularidade."

                                                                                          SILVIANO SANTIAGO