O concretismo
revisitado

Tanto  reproduz  o Manifesto da Poesia Concreta, publicado
na revista noigrandes: n.4, 
São Paulo, 1958, além de alguns poemas emblemáticos do movimento.  Texto introdutório e pesquisa de Luiz Edmundo Alves

  Entende-se por VANGUARDA um grupo de pessoas cujas idéias se mostram impregnadas por uma nova postura frente a conceitos já estabelecidos. Mudança de linguagem e estilo. Novos ângulos. Experimentação. Assim ao longo da História as Vanguardas se sucedem, renovam diretrizes estéticas e influenciam definitivamente a cultura e o comportamento das nações. Nossa primeira vanguarda consistente se deu com o Modernismo, que se revigorou com a Antropofagia, mantendo sua ânsia renovadora por praticamente três décadas, até surgir em São Paulo um grupo de poetas e artistas capazes de abalar todo esse alicerce moderno mas trintão: o movimento Concreto, liderado por Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari. É interessante constatar que o concretismo acontecia em várias partes do mundo a partir do final da segunda guerra mundial. Houve concretismo na Alemanha, na França, nos Estados Unidos, Inglaterra e Escócia, em muitos casos uns não sabiam o que os outros estavam fazendo. No Brasil o concretismo se deu quase que de forma simultânea, quando descobrem Erza Pound e resolvem realizar um trabalho de "invenção".O surgimento oficial se daria em 1956 com a Exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna em São Paulo, embora o grupo já existisse desde 52. A exposição reuniu trabalhos de artistas de São Paulo e Rio, contou com palestras de vários poetas e pintores. O movimento continha em suas veias um pouco do sangue antropofágico de Oswald de Andrade, o formalismo de Pound e a herança visual de Stéphane Mallarmé, mas buscava (ou já tinha encontrado) um novo estilo, "produto de uma evolução crítica de formas". Alguns estudiosos o consideram um sub-movimento, inserido nas muitas variações do Modernismo, sem a consistência que caracteriza os grandes movimentos artísticos. No entanto a poesia brasileira deste período se debateu entre ser ou não ser concretista, muitos poetas se sentiram pressionados: era a morte da lírica? Outros chegaram a pensar que aquele fosse o rumo definitivo da poesia, como se em poesia caminhos definitivos existissem. Mas não existem... Felizmente a poesia brasileira é plural, terrivelmente plural, mesmo diante da avassaladora influência do concretismo, ocorrida não apenas pela qualidade da obra do grupo, mas pelo desenvolvimento de uma teoria poética sem precedentes em nossa história literária, com proposições e objetivos artísticos bem delineados: "linguagem direta, economia, arquitetura..." e, também, pelo excelente trabalho de traduções.O concretismo enriqueceu a poesia brasileira contemporânea com a possibilidade da palavra pura, palavra-coisa, trouxe os ideogramas, a poesia russa moderna, Mallarmé e Octavio Paz, abrindo um novo leque poético. Enfim , a grande contribuição do movimento foi ter colocado a poesia no centro da roda, instrumento de e para o debate, como uma "arte geral da palavra, poesia como produto: objeto útil.". Poesia como coisa, coisas inventadas, reinventadas, reverbificadas. Décadas depois podemos afirmar: a experiência acrescentou novos códigos e parâmetros estéticos à cultura brasileira contemporânea, e ainda hoje desperta polêmicas. Quer mais? Ave Poesia! Assim seja.


    no 
            
                 â     mago   do   ô     mega 
                                     um olho 
                                     um ouro                                                  
                                     um osso 
    sob 
               essa     pe(  vide de vácuo) nsil 
               pétala  p a r p a d e a n d o   cilios 
                            pálpebra 
                amêndoa         do vazio pecíolo: a coisa 
                   da coisa 
                da coisa 
     

                                       um duro 
                                tão oco 
                                um osso 
                                tão centro 

                                                        um corpo 
                                    cristalino         a corpo 
                                     fechado em seu alvor     

    Z

    ero 
         ao 
    ênit

                                     nitescendo ex-nihilo    
     Haroldo de Campos, 1962



"pós-tudo" - Augusto de Campos


       

             Foto de Claus Werner/Reprodução 

       

      O Manifesto Concretista

       PLANO-PILOTO PARA POESIA CONCRETA
       

        * publicado em noigrandes: n.4, 
          São Paulo, 1958

        poesia concreta: produto de uma evolução crítica  
        de formas. dando por encerrado o ciclo histórico do 
        verso (unidade rítmico-formal), a poesia concreta 
        começa por tomar conhecimento do espaço gráfico 
        como agente estrutural. espaço qualificado: estrutura 
        espácio-temporal, em vez de desenvolvimento meramente 
        temporístico-temporal, em vez de desenvolvimento meramente  temporístico-linear. daí a importância da
        déia de
         ideograma, desde o seu sentido geral de sintaxe 
        espacial ou visual, até o seu sentido específico 
        (fenollosa/pound) de método de compor baseado na  
        justaposição direta- analógica, não lógico-discursiva 
        - de elementos: "il faut que notre intelligence 
        s'habitue à comprende synthético idéographiquement 
        au lieu de analytico-discursivemente"(appollinaire). 
        einsenstein: ideograma e montagem.  precursores:
        mallarmé( un coup de dés, 1897) : o
          primeiro salto
        qualitativo: "subddivisions prismatiques
          de l'idée";
        espaço ("blancs") e recursos tipográficos
          como
        elementos substantivos da composição. pound
         
        ( the cantos) : método  ideogrâmico. joyce (ulisses e 
        finnegans wake) : palavra-ideograma; interpenetração 
        orgânica de tempo e espaço. cummings: atomização 
        de palavras, tipografia fisiognômica: valorização 
        expressionista do espaço, apollinaire (calligrammes) : 
        como visão, mais do que como realização. futurismo, 
        dadaísmo: contribuições para a vida do problema. 
        no brasil: oswald de  andrade ( 1890-1954: "em 
        comprimidos, minutos de poesia". joão cabral de melo 
        neto(n.1920)- engenheiro e a psicologia da  
        composição mais anti-ode) : linguagem direta, economia 
        e arquitetura funcional do verso.
        poesia concreta: tensão de palavras-coisas no
        espaço-tempo, estrutura dinâmica: multiplicidade de 
         
        movimentos concomitantes. também na música - 
        por definição, uma arte do tempo - intervém o 
        espaço( webern e seus seguidores: boulez e 
        stockhausen; música concreta e eletrônica); nas 
        artes visuais - espaciais, por definição - intervém 
        o tempo ( mondrian e a série boogiewogie, max 
        bill; albers e a ambivalência perceptiva ; arte 
        concreta, em geral). 
        ideograma: apelo à comunicação não-verbal. o poema 
        concreto comunica a sua própria estrutura: estrutura- 
        conteúdo. o poema concreto é um objeto em e por 
        si mesmo, não um intérprete de objetos exteriores 
        e/ou sensações mais ou menos subjetivas. seu 
        material: a palavra (som, forma visual, carga 
        semântica) . seu problema: um problema de funções- 
        relações desse material. fatores de proximidade e  
        semelhança, psicologia de gestalt. ritmo: força 
        relacional. o poema concreto, usando o sistema fonético 
        (dígitos) e uma sintaxe analógica, cria uma àrea 
        lingüística específica - "verbivocovisual"- que 
        participa das vantagens da comunicação não-verbal, 
        sem abdicar das virtualidades da palavra, com o  
        poema concreto ocorre o fenômeno da metacomunicação: 
        coincidência e simultaneidade da comunicação verbal 
        e não-verbal, com a nota de que se trata de uma  
        comunicação de formas, de uma estrutura-conteúdo, 
        não da usual comunicação de mensagens. 
        a poesia concreta visa ao mínimo múltiplo comum 
        da linguagem, daí a sua tendência à substantivação 
        e à verbificação : "a moeda concreta da fala" (sapir). 
        daí suas afinidades com as chamadas "línguas 
        isolantes"( chinês) : "quanto menos gramática 
        exterior possui a língua chinesa, tanto mais gramática 
        interior lhe é inerente ( humboldt via cassirer) . o 
        chinês oferece um exemplo de sintaxe puramente 
        relacional baseada exclusivamente na ordem das 
        palavras ( ver fenollosa, sapir e cassirer). 

        ao conflito de fundo-e-forma em busca de identificação 
        chamamos de isomorfismo, paralelamente ao  
        isomorfismo fundo-formas, se desenvolve o isomorfismo 
        espaço-tempo, que gera o movimento. o isomorfismo 
        num  primeiro momento da pragmática poética 
        concreta, tende à fisognomia, a um movimento 
        imitativo do real (motion) ; predomina a forma 
        orgânica e a fenomenologia da composição, num 
        estágio mais avançado, o isomorfismo tende a  
        resolver-se em puro movimento estrutural (movement) ; 
        nesta fase, predomina a forma geométrica e a  
        matemática da composição ( racionalismo sensível). 
        renunciando à disputa do "absoluto", a poesia 
        concreta permanece no campo magnético do relativo 
        perene, cronomicrometragem do acaso, controle. 
        cibernética. o poema como um mecanismo, regulando-se 
        a si próprio: "feedback". a comunicação mais rápida  
        (implícito um problema de funcionalidade e de  
        estrutura) confere ao poema um valor positivo 
        e guia a sua própria confecção. 
        poesia concreta: uma responsabilidade integral perante 
        a linguagem. realismo total. contra uma poesia de 
        expressão, subjetiva e hedonística. criar problemas 
        exatos e resolvê-los em termos de linguagem sensível. 
        uma arte geral da palavra. o poema-produto: 
         

        augusto de campos 
        décio pignatari 
        haroldo de campos 

        post-scriptum 1961: "sem forma revolucionária não há 
        arte revolucionária" ( maiacovski). 
               (Campos, Augusto et alii. Teoria da poesia concreta. 

             São Paulo, Edições Invenção, 1965.) 

                     

       

      Fontes:  
      Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro Gilberto Mendonça  Teles 
      Dicionário de termos literários, Moisés Massaud 
      Teoria da poesia Concreta, Augusto de Campos 
       Folha de São Paulo, cad. Mais, vários aut.12/1996 
      Cadernos Poesia Brasileira, Instituto Cultural Itaú