O Burro
PATATIVA DO ASSARÉ

                                   

Foto: Luiz Edmundo Alves

        O BURRO

 
                      Vai ele a trote, pelo chão da serra,
                      Com a vista espantada e penetrante,
                      E ninguém nota em seu marchar volante,
                      A estupidez que este animal encerra.
 
                      Muitas vezes, manhoso, ele se emperra,
                      Sem dar uma passada para diante,
                      Outras vezes, pinota, revoltante,
                      E sacode o seu dono sobre a terra.
 
                      Mas contudo! Este bruto sem noção,
                      Que é capaz de fazer uma traição,
                      A quem quer que lhe venha na defesa,
 
                      É mais manso e tem mais inteligência
                      Do que o sábio que trata de ciência
                      E não crê no Senhor da Natureza.