R O D R I G O
GARCIA
 LOPES
POEMAS INÉDITOS
 
Millenium
 
1.
 
lágrima de cálamos
últimas fronteiras de fumo rumo às margens
de imagens de mãos vazias.
Súbita
consciência numa
fresta de céu, esquina de azul
púrpuro arrepio
língua
lambendo o tempo
lento espaço sem mensagens
em meio
ao mais moderno dos sentimentos:
 
horror          ao           vazio
 
 
2.
 
a estrela negra dos efeitos sangra & eterniza
a consciência trágica entre sanduíches de escombros
Hotel Mundi
onde ondas impostoras (piratas de sentidos)
sofrem sobrecarga de links
sem surpresas no céu do sem querer
Clichês deixam rastros, água na pedra que o branco perdura.
O fracasso dos espelhos, ex-imagens resgatadas de ruínas, lado a lado
 na feira-livre ansiosa do Limite.
Some também o que está bem
aqui, quase imperceptível
cão caótico, lis inédita na duna, barcos que se pressentem, trancos
 elétricos do transe, a chama do milênio que se apaga
num piscar:
o eco da estrela negra
atinge o fundo do poço, da crise:
nervosa nebulosa ou galáxia
  em forma de um Cysne.
sagrado vento
sagrado ser
sagrado deus
que me respira por dentro
sagrada chama
que aqui nos queima
sagrada alma
que nos reclama
sagrada loucura
secreta sagrada loucura
sagrada & rara criatura
seja a fúria deste instante
seja raio, raiva, riso, isso, seja estrela,
seja pássaro,  seja humana