Julio Saens

silascorreia


um homem arrasado carrega um enorme cofre às costas. a sua própria natureza

*

quem inventou a memória, azedou a polenta da vida

*

uma vez achei uma bolinha de gude no miolo de uma jabuticaba vesga

*

miolo de fechadura queria ser lápis de São José Carpinteiro

*

o universo todo é só parte de um neurônio de Deus

*

mães são flautas do sol

*

uma vez vi um pássaro que não existe

*

espiritualmente o ser humano é um tiranossauro terrestre

*

escrevo porque não sei me matar

*

figos maduros têm zíperes de açúcar cristal

*

uma vez fui a um baile de fantasmas: eles ficaram com medo porque eu era o único

*

durante um mês inteiro, fiz regime para emagrecer: perdi 30 dias

*

colabore com as autoridades: cometa um crime perfeito

*

a urina é o vinagre do corpo

*

acompanhe a maioria. ande sozinho

*

se não chover hoje de manhã, chove hoje a tarde. se não chover hoje a tarde, choverá ainda hoje de manhã

*

uma vez vi um burro na sombra: era o espelho de minha infância cortada pela metade

*

sempre quis morrer jovem. quero ver se faço isso com uns cem anos

*

tempestade em copo de água: alka-seltzer

*

mais sumido do que fimose de eunuco

*

batatinha quando nasce, vira fritas no McDonalds

*

para o nosso "sinistro" da Educação, Paulo Renato, Agropecuária é uma plantação de vacas, e uma das partes do globo é a próstata terrestre

Silas Corrêa Leite, 51 anos, da Estância Boêmia de Itararé SP, Crítico Social, Educador e Poeta, autor do e-book O RINOCERONTE DE CLARICE (único no gênero, com 11 contos fantásticos com três finais cada conto) no site www.hotbook.com.br/int01scl.htm (foi destaque no Metrópolis/TV Cultura, Caderno 2 do Estadão, etc.  e recomendado como leitura obrigatória na matéria Linguagem Virtual, no Mestrado de Ciência da Linguagem, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Pós-graduado em Literatura, Direitos Humanos e Jornalismo Comunitário. Ganhador, entre outros, do Concurso Paulo Leminski de Contos e do Primeiro Prêmio Ligia Fagundes Telles de 2004 (Fundação Mário Covas). Site pessoal: www.itarare.com.br/silas.htm. E-mail para contatos: poesilas@terra.com.br

voltar